Archive for Janeiro 2009

Coincidência?

No Comments »




O Presidente Negro é único romance adulto de Monteiro Lobato. Embora ainda não tivesse pisado em terras norte-americanas quando escreveu esse livro, Lobato ambienta sua história futurista nas terras de Henry Ford. Em 1926 o autor publicou o romance com o título O Choque e, duas décadas depois, mudou o nome para O Presidente Negro. A obra aborda temas como a segregação entre brancos e negros, aculturação, feminismo e ainda profetiza o surgimento de uma rede pela qual as pessoas se comunicariam e trabalhariam à distância. Através das lentes do “porviroscópio”, aparelho capaz de prever o futuro, Lobato leva os leitores para 2228, ano em que o personagem Jim Roy concorre à presidência dos Estados Unidos.



Difícil de explicar...

Quem tiver conhecimentos sobre o livro, por favor, deixe comentários!




Sustentabilidade: aprenda a consumir sem agredir o ambiente

No Comments »

Pense se realmente precisa do produto, compre só o necessário, doe e transforme o bem material e recicle o que não tiver mais uso


Desde o advento da Revolução Industrial, no século XIX, a sociedade é estimulada a comprar, usar e jogar fora, sem pensar nas consequências dessas atitudes.

Porém, o consumismo exacerbado leva ao caminho inverso da sustentabilidade e da preservação do meio ambiente, prejudicando pessoas por todo o planeta.

Pensando nisso, o Instituto Akatu, entidade que promove o consumo consciente, destaca uma maneira simples de comprar, sem transpor a sustentabilidade das sociedades e do meio ambiente: basta seguir a lógica dos quatro Rs.

Repense: "eu preciso mesmo deste produto"?;
Reduza: adquira somente o que for necessário;
Reutilize: doe e transforme o bem material, a fim de evitar o descarte;
Recicle: quando não der mais para reutilizar o produto.

Escolha verde
Porém, ainda que seja necessária aquela compra, existem mais atitudes que o consumidor pode tomar para preservar o planeta.

Primeiro, escolha o produto de uma empresa ambientalmente responsável. Na internet, por exemplo, o site de comércio eletrônico eBay criou uma página (www.worldofgood.com) para vender produtos que respeitem o meio ambiente.

Além disso, não compre produtos de origem animal, pois, ao adquirir bens que utilizam corais, conchas, estrelas-do-mar, mármore, couro, penas ou qualquer outro item natural, você incentiva um comércio que nem sempre é sustentável.

Lembre-se de que, ao consumir, você exerce uma enorme influência sobre as emissões de gases. Para ter uma ideia, um relatório da CBI (Confederação das Indústrias Britânicas) revelou que varejo, alimentação e bebidas, atacado e agricultura representam 25% das emissões, ao passo que fabricação de bens, mineração de carvão e transporte de cargas respondem por 40%.

O vilão plástico
Outro ponto a se lembrar é o quanto as embalagens plásticas são nocivas ao planeta e o quanto estão enraizadas no nosso dia-a-dia, sem percebermos. Assim, é importante que o consumidor opte por garrafas de água e refrigerante do tipo retornável e não utilize sacolas plásticas de supermercado, dando preferência para as feitas de pano.

Caso ainda prefira as sacolinhas plásticas, mesmo assim, é possível ser consciente: coloque uma grande quantidade de produtos em apenas uma embalagem, procurando completar sua capacidade máxima, e não use uma embalagem dentro da outra, para reforçar o sustento, ainda mais se você for morador da Grande São Paulo.

Isso porque foi lançado um projeto na região em que as sacolinhas são mais resistentes, exatamente para evitar o uso em excesso. Já são 16 lojas de supermercado que utilizam essas embalagens.

Viagem para relaxar e sustentar
Você já pensou qual a relação da sua viagem com o sustento do globo? Pois saiba que conhecer os quatro cantos do mundo e fazer compras têm de ser aliados ao cuidado com o outro e com o ambiente.

Sustentabilidade não é apenas sinônimo do bem à natureza, mas refere-se à continuidade dos aspectos sociais, econômicos, culturais e também ambientais de determinada sociedade. Então, confira as dicas para fazer uma viagem consciente:

Souvenir - prestigie o artesanato local e informe-se sobre produtos típicos que dificilmente poderão ser encontrados em outras regiões;
Sabores locais - experimente a culinária da região, procurando saber quais são as frutas e vegetais típicos do lugar;
Pechinche com humor - lembre-se de que será uma pequena economia para você, mas que pode significar uma grande quantia de dinheiro para o vendedor.
Fonte: MSN.

Abracom oferece curso sobre Blogs Corporativos

1 Comment »



A Associação Brasileira das Agências de Comunicação, Abracom, realizará no próximo dia 27 (terça-feira), das 8h30 às 12h30, na Sede da Abracom, localizada na Rua Pedroso Alvarenga 584 – conjunto 51, o curso "Blog Corporativo: seu cliente precisa de um?".



A professora Carolina Terra* mostrará como o Blog Corporativo pode ser uma poderosa ferramenta de relacionamento das empresas no ambiente das mídias sociais na Internet. O curso é dirigido a gestores de empresas, de agências e profissionais de comunicação corporativa interessados no tema.



No programa serão abordados temas como: Conceitos fundamentais, A era da participação, Comunicação digital, O que fazer na web, Tipos de blogs corporativos, Como criar blogs corporativos, Como monitorar blogs corporativos, Como avaliar blogs corporativos e Tendências.


Os interessados devem entrar em contato com a Daniela pelo telefone: (11) 3079-6839 ou pelo e-mail: contato@abracom.org.br.

Agências que estão fora da Grande São Paulo têm desconto de 40%.



Starbucks conquista os brasileiros sem propaganda, mas com muita experiência

No Comments »

A abertura da primeira loja da Starbucks no Brasil completou dois anos no último mês de 2008. A chegada da marca que revolucionou a indústria do café no mundo era aguardada por quem já conhecia a famosa Experiência Starbucks no ext erior e por aqueles que se inspiravam na história da rede que é muito mais do que uma simples cafeteria.

Starbucks é a 85ª marca mais valiosa do mundo. Vale 3,8 bilhões de dólares segundo a Interbrand (ranking de 2008). Está atrás da Nescafé (28ª), mas é ela a responsável por transformar um produto comum em objeto de desejo. São mais de 16 mil lojas espalhadas por 49 países. No mundo inteiro, os amantes da Starbucks têm em suas lojas o seu terceiro lugar de referência, depois da casa e do trabalho.

Repetir este sucesso no Brasil é o desafio de Ricardo Carvalheira, Presidente da Starbucks Brasil. O executivo participou desde o início do processo de abertura de lojas no país ao lado de Maria Luisa Rodenbeck, responsável por trazer a rede ao Brasil, que foi vítima de um acidente de trânsito no Rio de Janeiro em outubro de 2007.

Hoje, a Starbucks tem 16 lojas na capital de São Paulo, uma em Campinas e uma no Rio de Janeiro. Mesmo assim, a rede que não trabalha com sistema de franquias já está entre os cinco maiores mercados do mundo em termos de atendimento. Em entrevista ao Mundo do Marketing, Carolina Maeso, Diretora de Marketing da rede no Brasil, dá detalhes de como foi o processo de chegada ao país.

A estratégia de Marketing da Starbucks está intrinsecamente ligada ao que eles chamam de Experiência Starbucks. Para isso, os funcionários e o ponto-de-venda são peças-chaves. A empresa investe mais em treinamento do que em publicidade e o ambiente da loja é único.

Mundo do Marketing: A Starbucks é uma das marcas mais valiosas do mundo. Quais são os valores da marca?

Carolina Maeso: A Starbucks tem cinco pilares como base que conduzem o negócio como um todo. São Partners apaixonados, como são chamados os colaboradores que trabalham conosco, Expertise de café, Cultura sobre café, Inovações que transformam, e Cuidado com a Comunidade. Tudo que é pensando e trabalhado tem que tocar nestes pilares.

Mundo do Marketing: Como é a percepção do consumidor com relação a estes pilares?

Carolina Maeso: Ele não vê esses pilares delineados, mas percebe e tem contato com eles sempre que tem uma Experiência Starbucks. É subliminar: ele é tocado. Os Partners conhecem os nossos clientes pelo nome. Temos um tratamento pessoal. Por serem apaixonados pelo que fazem, pelos produtos e pela Starbucks, os Partners transmitem essa cultura.

Mundo do Marketing: Quais são as diferenças em termos de comportamento do consumidor percebido pela rede entre os EUA e o Brasil?

Carolina Maeso: São poucas. A cultura Starbucks é muito conhecida. A diferença foi o aprendizado sobre o consumidor. Como é uma marca recém chegada ao Brasil, tem aqueles que conhecem por terem tido contado em outros lugares do mundo, tem os desbravadores que estão conhecendo e tem aqueles que são clientes fiéis. A diferença está na customização.

Nos EUA as pessoas já entram na loja e sabem que podem compor muitas bebidas, mas aqui ainda estamos nas primeiras etapas de conhecimento entre o consumidor e a Starbucks. A Experiência Starbucks é única e deve ser única em qualquer lugar. É uma coerência mundial. A Starbucks deve ser um porto seguro aqui, na Argentina, na Alemanha, na China, na França, no México. Há uma pequena regionalização para ir ao encontro do hábito do consumidor, mas são poucas. Aqui, por exemplo, temos o pão de queijo, mas há uma coluna vertebral muito sólida que mantém a Experiência Starbucks única em qualquer lugar.

Mundo do Marketing: Como é o processo de abertura de uma nova loja? Quais fatores são levados em consideração?

Carolina Maeso: Primeiro foi a escolha da cidade a receber a primeira Starbucks. Além de ser o centro de consumo do país, São Paulo é uma cidade cosmopolita, está aberta a marcas internacionais, as pessoas transitam por um universo internacional e a escolha foi um pouco óbvia. As lojas são abertas com cautela, uma de cada vez. Não há correria. Há estudo de localização e de entendimento do consumidor em torno.

Mundo do Marketing: Quais foram as estratégias de comunicação utilizadas para o lançamento da rede no Brasil?

Carolina Maeso: A Starbucks não tem campanha de mídia de massa aqui e em nenhum lugar. A estratégia de marketing é in-store. Significa que nossas campanhas são produzidas e divulgadas nas nossas lojas. Não existe filme para TV, campanha de jornal, revista e outdoor. A Starbucks é intimista e a experiência se dá dentro da loja. Não adianta tentar reproduzir isso de forma impressa porque o consumidor deixará de ser tocado em alguns dos nossos pontos. Mesmo que tenha um filme, o consumidor não terá um contato pessoal com um Partner. Tudo é voltado para dentro da loja.

A estratégia de divulgação foi muito embasada na própria demanda. A partir do momento que dissemos que estávamos chegando, criou-se uma expectativa muito grande. E isso foi trabalho através de assessoria de imprensa.

Mundo do Marketing: A única estratégia de comunicação foi assessoria de imprensa?

Carolina Maeso: Foi.

Mundo do Marketing: Qual é o perfil do cliente da Starbucks no Brasil?

Carolina Maeso: O público inicial é aquele que esperava ansiosamente por tomar um café Starbucks aqui no Brasil. Segundo eram pessoas que ouviram muito falar. São pessoas antenadas, que sabem o que acontece no mundo, buscam coisas novas, querem experimentar coisas diferentes, provar uma combinação inédita e que gostam de coisas boas e de ser bem servida.

Mundo do Marketing: Nos EUA, há o site My Starbucks Idea. Nele o consumidor dá idéias que podem ser aproveitadas pela rede. Há planos de fazer o mesmo no Brasil?

Carolina Maeso: Não neste momento. Ainda estamos em processo de maturação. Primeiro precisamos estabelecer o padrão Starbucks para que as pessoas conheçam e ter uma profundidade maior de relacionamento com o consumidor para chegar neste estágio.

Mundo do Marketing: Quais são os resultados da operação no Brasil em termos de marca, posicionamento e aderência do consumidor?

Carolina Maeso: A aderência é total. Todas as lojas têm um índice de atendimentos por dia muito alto. Estamos entre os cinco mercados do mundo em termos de atendimento. Temos tido sucesso, mas com muita cautela. As expectativas eram muito boas porque sabíamos da demanda, mas nos surpreendemos com lojas que fazem sucesso acima do esperado. A primeira loja no Rio é um sucesso inacreditável.

Mundo do Marketing: O Mcdonald’s está investindo cada vez mais em sua rede de café. Como a Starbucks vê este movimento mesmo que o posicionamento das duas marcas seja completamente diferente?

Carolina Maeso: É um segmento semelhante e é um player importante pela pulverização que tem, mas são públicos diferentes. A Starbucks tem uma cultura de café e construiu a sua história em cima desse expertise. Somos profundos conhecedores de café e não uma cafeteria para atendimento rápido. O nosso ambiente é hospitaleiro, as pessoas acessam a internet e leem livros. Oferecemos produtos diferentes e atendemos a outra necessidade de consumo.

Mundo do Marketing: A rede fechará 600 lojas nos EUA até março deste ano. Como o plano de reestruturação da empresa afeta o Brasil?

Carolina Maeso: Não afeta em nada. A reestruturação e a reavaliação de pontos-de-venda é feita constantemente. Sempre se fecha uma operação e abre-se uma, duas ou três. O número impactou por ser de uma vez só. Dentro do universo do número de lojas nos EUA (mais de 6 mil), não é tão significativo. No Brasil isso teve pouco impacto. Não tivemos nenhuma alteração em nossos planos de abertura de lojas.

Mundo do Marketing: Como a rede pretende crescer no Brasil?

Carolina Maeso: Os planos são continuar a expansão em São Paulo, mas com foco também em outras praças, como o Rio de Janeiro. Este ano ainda vamos continuar consolidando o eixo Rio-São Paulo.


postado por: Robson


fonte:

Google encerra seis de seus serviços

No Comments »



O corte de gastos no Google não resultou apenas na demissão de 100 funcionários e no fechamento de três escritórios internacionais, mas também na interrupção de seis serviços oferecidos gratuitamente.



O Google Video é um dos serviços afetados. Dentro de alguns meses, a empresa não aceitará o envio de novos vídeos. O material que já está no site, no entanto, será mantido, esclareceu o site TG Daily.



Também foi anunciado o fechamento da rede social Jaiku, que terá seu código aberto e será inserida posteriormente no Google App Engine. A ação facilitará a criação de outros serviços de microblog.



Segundo o site InformationWeek, a companhia também fechará a rede social para celulares Dodgeball; o serviço Google Mashup Editor, que permitia criar aplicações baseadas em serviços web; e o Google Catalog Search, capaz de buscar informações em catálogos.



O serviço Google Notebook será mantido, mas não receberá mais atualizações.



Fonte: Site Terra.

Descubra o que falam de você na Internet

1 Comment »


Você já "deu uma espiadinha" em seu nome hoje? Isso mesmo. Já monitorou o que andam falando sobre você na Internet? Uma pesquisa divulgada no ano passado apontou que 4 em cada dez adultos que buscam nomes próprios em ferramentas de busca (como o Google e o Yahoo!) querem mesmo é saber quão populares são na rede mundial de computadores.



Além de matar a curiosidade, checar por onde o seu nome, blog ou conteúdo circula na Internet é importante para garantir a boa reputação na hora de procurar um novo emprego ou apresentar-se para uma empresa, por exemplo.



Indicativos mostram que 25% da área de recursos humanos das empresas do mundo vão até a Internet para pesquisar informações sobre os candidatos. "Se alguém está procurando um emprego na área de educação infantil, não pode ter seu nome associado a reclamações do tipo", exemplifica Vivian Pecino, coordenadora da agência digital Enken, que oferece serviços de monitoramento de marcas para empresas.



E acompanhar de perto sua reputação na Web não é uma tarefa tão complicada quanto parece. A própria rede oferece uma lista de sites e serviços que entregam todos os locais onde o seu nome aparece, direto no e-mail. Basta acessá-los uma vez (pelo menos a maioria deles), cadastrar-se e aguardar as informações.



Uma das ferramentas mais simples para "se encontrar" na Internet é o Google Alerts, do próprio Google. Simples de usar, basta acessar a página do serviço, digitar a palavra a ser monitorada (seu nome) e determinar onde (notícias, vídeos, grupos) e com que frequência a checagem deve ser feita.


Sempre que o seu nome, por exemplo, for citado na Internet, o sistema enviará um alerta para o e-mail cadastrado com a descrição e o link do site, blog ou vídeo onde a palavra-chave foi mencionada. O único problema do Google Alerts é que ele não é instantâneo. A checagem demora algum tempo e é bem provável que você só saberá por onde anda o seu nome na rede com atraso de um dia.



Outra opção é o SocialMention que varre oito categorias diferentes de notícias (entre elas blogs, comentários, imagens e notícias), mas não oferece a opção de a busca ser enviada para o seu email. Para acompanhar tudo de perto, é preciso criar um feed RSS com a palavra-chave que você escolheu. (Aprenda a usar leitores de RSS)



Os passos para a criação do feed são bem fáceis: escolha a opção "Subscribe to RSS", que fica do lado superior direito da página, e copie o endereço para um agregador de feeds —da mesma maneira que é feita com notícias comuns.



Outro serviço semelhante, que traz a opção de acompanhar onde seu nome circula usando RSS, é o Keotag. O resultado do monitoramento é bem satisfatório (até melhor que o SocialMention), mas traz um problema: das 17 opções para localização, 8 delas não são muito divulgadas no Brasil. É o caso do Reddit e o Blinklist, sites que agregam notícias de todos os tipos indicadas pelos internautas. No entanto, é possível saber onde o seu nome é mencionado no Google, Twitter, Yahoo e YouTube.


Fonte: UOL.

Redes sociais ainda não conquistaram adultos, diz pesquisa

No Comments »


Mais pessoas estão abraçando redes sociais como MySpace e Facebook, mas o uso desses sites para reunião de amigos permanece um fenômeno muito maior entre os jovens, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela organização Pew Internet & American Life Project.


Dos cerca de três quartos dos adultos online nos EUA, 35% usam sites de redes sociais como MySpace, Facebook ou LinkedIn, constatou a organização Pew em uma pesquisa com 2.250 pessoas no final do ano passado. Apenas 8% dos usuários adultos da web faziam parte de redes sociais há quatro anos.



Pela pesquisa recente e outras enquetes no ano passado, a entidade determinou quão mais provável era a participação dos jovens em redes sociais. Cerca de 65% dos adolescentes online entre 12 e 17 anos usam os sites, e três quartos dos internautas entre 18 e 24 anos têm um perfil. Em comparação, apenas 7% dos usuários de internet acima dos 65 anos estão nesses sites.

Uma das descobertas mais surpreendentes da Pew divulgadas na quarta-feira foi: cerca de 17% dos adultos possuem vários perfis num mesmo site e 4% possuem perfis para "diferentes partes de sua personalidade."


Mas antes de começar a se perguntar quantos dos seus amigos têm múltiplas personalidades, Amanda Lenhart, especialista de pesquisa sênior da Pew, observou que esses perfis geralmente enfatizam diferentes partes da vida de uma pessoa, como esportes ou hobbies. Alguém pode ter um perfil focado em hóquei e outro separado sobre jardinagem.


Homens e mulheres usam os sites em proporções iguais, mas houve diferenças em relação à raça. Cerca de 31% dos usuários brancos da web disseram que tinham um perfil em pelo menos um site de rede social, em comparação a 43% dos negros e 48% dos adultos hispânicos.


Lenhart disse que a diferença pode ser atribuída às idades dos participantes, visto que "segmentos mais jovens da população têm muito mais diversidade." Similarmente, como os jovens tendem a ganhar menos, a pesquisa também constatou que os participantes com rendas mais baixas tinham maior probabilidade de usar sites de redes sociais do que os mais ricos.

As idades médias dos usuários do MySpace e Facebook foram de 26 e 27 anos, respectivamente. No LinkedIn, focado na carreira profissional, a idade média foi de 40 anos.


Embora um número crescente de empresas esteja presente em sites de redes sociais, a amizade é a principal razão para as pessoas se conectarem. Grande parte dos adultos, 89%, disse usar seus perfis online para manter contato com amigos. Apenas 28% afirmaram usar o perfil para fazer contatos de negócios ou profissionais e se promover no trabalho.


Flertar foi a razão menos popular: apenas 20% dos adultos disseram ser esta a razão para se conectarem.


O Facebook tem cerca de 150 milhões de usuários ativos, a maioria fora dos EUA, e as pessoas acima de 30 anos são o grupo que cresce mais rapidamente no site. O MySpace se vangloria de seus 125 milhões de usuários ativos, 76 milhões deles nos EUA, com adultos como o grupo de maior crescimento no site em dezembro.


As pesquisas da Pew tiveram margens de erro de 2,4 a 6 pontos percentuais.


Tradução: Amy Traduções


Empresas utilizam o Twitter para promover marcas

No Comments »


Nos EUA, entre setembro de 2007 e o mesmo mês de 2008, o crescimento da rede foi de 343%; em março de 2008 o Brasil já era o quinto em visitação no site.



O Twitter, rede social que propõe aos seus usuários que respondam à pergunta 'o que você está fazendo?' em até 140 caracteres, alcança cada vez mais popularidade. Nos EUA, entre setembro de 2007 e o mesmo mês de 2008, o crescimento da rede foi de 343%. No Brasil, ainda não há números precisos, mas em março de 2008 o país já era o quinto em visitação no site.



Antenadas a esse cenário, marcas e empreendedores aderem cada vez mais à rede de microblogging para turbinar seu relacionamento com os consumidores, gerar receitas, divulgar promoções, gerar acessos para um site ou conversões para uma campanha, entre outras possibilidades.



“O Twitter promove a interação constante entre o perfil e seus seguidores. Os usuários prezam pelo compartilhamento de informações e pela leitura (em geral possuem ou lêem blogs). Sendo assim, a troca de links e notícias interessantes é comum para essa comunidade”, explica Patrícia Moura, analista de mídias sociais da Agência Frog, especializada em mídias sociais. Além disso, de acordo com a analista, investir no Twitter é uma oportunidade real de se comunicar com o consumidor diretamente, one to one.



Patrícia acredita que a rede pode ser até mais eficaz que o email marketing, já que o usuário tem a opção de seguir apenas aquilo que lhe interessa. “Assim, perfis corporativos ou promocionais têm um caráter muito mais permissivo do que intrusivo”, afirma a analista.



Já Roberto Loureiro, responsável pelas redes sociais da construtora Tecnisa, que utiliza a ferramenta, acredita que o Twitter tem uma função diferente do email marketing. “O Twitter é rápido e eficaz em transmitir uma manchete, um highlight sobre qualquer tema, levando muitas vezes o usuário a informações mais detalhadas através de um link. É isso que faz do Twitter, ou qualquer outro microblog, uma ferramenta perfeita para o mundo moderno, para o consumidor sem tempo, objetivo e bem informado”, argumenta.



Mas, mesmo com todas as vantagens, as empresas que desejam se aventurar nesse universo virtual devem ter alguns cuidados. Primeiramente, é imprescindível conhecer bem as características da rede. “Algumas marcas – grandes, inclusive – já deram verdadeiros tiros no pé por entrar neste território sem conhecê-lo”, destaca Patrícia.



Em segundo lugar, é preciso ter conteúdo. A analista explica que uma das primeiras coisas que a empresa ou marca deve se perguntar durante o processo de criação de perfil é: por que alguém leria isso? Por que alguém acharia essa informação interessante:? É preciso lembrar que a marca deve falar sempre a linguagem do consumidor.



Interagir com os seguidores também é fundamental para se destacar na rede. Perfis baseados em mensagens automáticas (bots) são os primeiros a serem execrados pelos consumidores. Afinal, uma conta no Twitter parte da premissa de que há uma pessoa por trás dela, respondendo em nome da empresa ou marca.



Finalmente, vale ressaltar que uma ação no Twitter deve estar baseada em todo um contexto de mídias sociais, ao lado de outras ferramentas de colaboração como flickr, youtube, delicious e aplicativos de suporte à rede. Se a marca ou empresa não têm um plano estruturado ou não está atualizada sobre os usos da ferramenta, o ideal é que se contrate uma agência especializada ou a utilize para monitorar o que os usuários estão falando sobre ela.



Empresas 2.0
Desde setembro a construtora Tecnisa utiliza o sistema de microblog para enviar notícias para seus seguidores sempre que lança um empreendimento. Loureiro acredita que dentro do Twitter existem muitas pessoas que podem e querem comprar apartamentos, e a Tecnisa deseja ser a marca forte para esses usuários.



“A venda de um apartamento é uma questão delicada. O consumidor, ao realizar essa compra, pesquisa muito, pergunta, compara, e é aí que o Twitter entra, disseminando a informação, facilitando a pesquisa e a comparação. O resultado disso é complicado de se mensurar a curto prazo, mas o que sabemos é que nossos seguidores aumentam diariamente, o que tem sido uma agradável surpresa, e isso nos ajuda a cumprir o objetivo de viralizar a informação”, afirma Loureiro.



Já a Agência Frog, em junho passado, criou o perfil do Leitor Voraz, personagem que representa o Grupo Ediouro nas mídias sociais. De lá para cá, foram cerca de 30 promoções, mais de 1.200 atualizações e mais de 400 seguidores na rede.



Um dos exemplos de sucesso da iniciativa é a promoção 'Botequim de bêbado tem dono', sobre o livro de autoria de Moacir Luz. O volume ganhou um site próprio e a promoção no Twitter instigou os seguidores da rede a confessarem suas bebedeiras na página para concorrer a um exemplar. “Se fizermos uma conta rápida, contando apenas os dias úteis, chegamos a uma média de seis novos followers por dia. Ou seja, a cada promoção o Leitor Voraz recebe mais seguidores”, comemora Roberto Cassano, diretor de Estratégias e Mídias Sociais da Frog.



Matéria publicada no site Metaanalise.

ABERJE lança programação 2009

No Comments »




A ABERJE – que atualmente reúne as Associações Brasileiras de Comunicação Empresarial, Branding e Comunicação Organizacional – já está divulgando o calendário de cursos para os primeiros meses de 2009. Temas como comunicação em crises corporativas, comunicação interna, publicações empresariais, comunicação estratégica e análise de retorno em comunicação fazem parte das opções de treinamento entre os dias 5 e 13 de fevereiro, ministradas por profissionais reconhecidos no mercado. No cronograma, constam ainda um curso internacional e um grande encontro sobre comunicação integrada.

A agenda tem início no dia 5 de fevereiro com o curso “Gerenciamento e Comunicação de Crises Corporativas: A Teoria na Prática - como implantar um sistema simplificado de gerenciamento e comunicação de crise na sua empresa”, com o engenheiro Eduardo Prestes. Uma crise pode afetar ou destruir a reputação, a imagem, o clima organizacional, a confiança de clientes e a credibilidade de uma empresa ou instituição, pública ou privada, por vários anos. Pode também afetar resultados econômicos e financeiros, assim como trazer prejuízos profissionais aos funcionários. Um planejamento empresarial que inclua o Gerenciamento e a Comunicação de Crises nas empresas é hoje uma exigência da economia globalizada e apresentam demanda crescente na Europa e USA. Sua importância estratégica pode ser atribuída à valorização que a opinião pública está dando para as questões comportamentais, à ética empresarial, o respeito aos valores sociais e à possibilidade da quantificação econômico/financeira das crises mal administradas. Os públicos internos e externos esperam que as empresas tenham e divulguem a existência desses planos de gerenciamento, demonstrando sua responsabilidade social. Prestes é mestre em Comunicação e Marketing pela Faculdade de Comunicação Cásper Líbero, especializado em Marketing Industrial pela Fundação Getulio Vargas/SP e em Comunicação Corporativa e Marketing pela Universidade da Flórida/EUA.

Já no dia 6, a discussão vai estar centrada na comunicação e seu papel fundamental na construção do sentido na sociedade e nos ambientes organizacionais. Segundo o instrutor e jornalista João José Curvello, é pela comunicação que as organizações, como sistemas sociais, realizam sua autoconstrução, e é pela comunicação que se pode conhecer a identidade de uma organização. Particularmente, a comunicação interna é o conjunto de estratégias, ações e conversações que a organização coordena com o objetivo de ouvir, informar, mobilizar, educar e manter coesão interna em torno de valores que precisam ser reconhecidos e compartilhados por todos e que podem contribuir para a construção de boa imagem e reputação públicas. Esta é a base do curso “Caminhos para uma Nova Comunicação Interna”. Curvello tem graduação em Comunicação Social-Jornalismo pela Universidade Católica de Pelotas, mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.

A publicação de boletins, jornais e revistas empresariais é uma oportunidade e um desafio para as organizações. A oportunidade é produzir veículos de comunicação com um discurso e um repertório temático que fortaleçam a marca, alinhem as estratégias e garantam uma padronização do fluxo informativo para públicos internos e externos. Ao mesmo tempo, é um desafio, pois a quantidade de mídias externas que bombardeia esses públicos torna essencial que a qualidade gráfica e editorial dos impressos corporativos seja igual, ou melhor, do que a gama oferecida em bancas, assinaturas e sites na internet. Em outras palavras, a missão é potencializar as notícias empresariais, fazendo dos assuntos importantes para as instituições temas interessantes para os leitores. É neste contexto que vai transitar o foco do curso “Publicações Empresariais Estratégicas - Como planejar, avaliar e produzir boletins, jornais e revistas corporativas”, com base em modelos internacionais e em cases premiados pela ABERJE, com o jornalista Luiz Chinan, no dia 10 de fevereiro. Ele é sócio-diretor da Retoque Comunicação, agência que realizou consultorias editoriais para a revista Época, da editora Globo e o jornal Zero Hora, do grupo RBS. Foi também responsável pela reformulação da Revista Petrobras e Itaú Notícias, bem como realizou avaliações para o sistema informativo do Grupo Accor e Votorantim.

A primeira edição do ano dos Cursos Avançados Internacionais da ABERJE está marcada para o dia 11 de fevereiro de 2009, com a presença do norte-americano Paul Argenti falando sobre “Comunicação Estratégica”. No formato de grupos pequenos de alto desempenho e conhecimento, para aprofundamento de temas pela visão de professores reconhecidos no exterior, voltado para executivos em posições estratégicas, oferece tradução simultânea e um ambiente aberto à troca de informações sem formalidades. Vai acontecer no Hotel Paulista Plaza (Alameda Santos, 85 – Jardins). Argenti foi professor de gestão e de comunicação corporativa da Harvard Business School e da Columbia Business School. É professor visitante da Universidade Internacional do Japão, da Escola de Economia de Helsínquia, da Erasmus University nos Países Baixos, da London Business School e da Universidade de Gestão da Singapura. Autor dos livros “Comunicação Estratégica Corporativa”, “O Poder da Comunicação Corporativa” e “The Fast Forward MBA Pocket Reference“. Ele tem escrito e editado inúmeros artigos para revistas e publicações acadêmicas, como a Harvard Business Review, California Management Review e Sloan Management Review. Foi também vencedor do Prêmio Pathfinder em 2007 pelo Instituto de Relações Públicas pela a excelência de sua contribuição no decorrer da carreira. Tem executado programas de treinamento para centenas de empresas, incluindo a General Electric, ING, SONY, a Novartis, e Goldman Sachs. Atualmente atua como professor de Comunicação Corporativa na The Tuck School of Business.

O roteiro de treinamentos vai ser encerrado com um curso de dois dias de duração: “Análise de Retorno dos Investimentos em Comunicação”, ministrado por Mitsuru Higuchi Yanaze e Ubaldo Crepaldi nos dias 12 e 13 de fevereiro. A importância do trabalho das empresas e dos profissionais de comunicação precisa passar a ser encarada como investimento, e não como despesa. E o ponto crucial para que isso ocorra é ter a clara definição de quais e quantos serão os benefícios futuros, e quando eles advirão – o que é possível ser feito por meio de demonstrações numéricas. O conhecimento básico de finanças e o manuseio de números e índices, somados à sensibilidade e ao conhecimento do contexto mercadológico, propiciam ao profissional de comunicação a capacidade de dialogar, utilizando a linguagem empresarial universal – a linguagem dos números financeiros. O conhecimento de finanças não só proporciona ao profissional de comunicação o embasamento financeiro de suas propostas de ações comunicacionais, mas também propicia ferramentas importantes para a administração de seus negócios. Yanaze é professor Livre Docente da ECA/USP, consultor e conferencista, tendo prestado serviços para empresas como Grupo Alcoa, Oral Vita, Mc Cain Foods, Cecae-USP, Sebrae, Fundação Getúlio Vargas, Bradesco, Banco Central, Rotary Clube - Regional Sul, UNESP, UNIMED PAULISTA, Itaú Seguros, Caixa Econômica Federal, entre outras. Já o economista Crepaldi é professor assistente da ECA/USP e da Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero e coordenador acadêmico dos cursos de MBA do INPG.

AGENDA – Para o mês de março, algumas ações já estão também definidas. Há previsão dos cursos “Endomarketing: Prioridades empresariais através do estratégico alinhamento interno” com Saul Bekin, “Melhores Práticas em Comunicação da Estratégia - A Comunicação como Apoio à Implementação do BSC” com Maria Auxiliadora Amiden, “Relatórios de Sustentabilidade GRI” com Carmen Weingrill e James Heffernan, “Branding: Comunicação e Valor de Marcas Corporativas” com Ricardo Rodrigues, e ainda “Como construir e gerenciar blogs corporativos” com Pollyana Ferrari. No dia 12 de março, ainda acontece o 9. Mix de Comunicação Interna e Integrada, com nove painéis tendo como base os trabalhos vencedores do Prêmio ABERJE 2008 em diversas categorias (veja mais no site www.aberje.com.br/novo/eventos/2009/9mix/entrada.htm).

Todos os participantes dos cursos, que acontecem na sede da entidade em São Paulo/SP (Av. Angélica, 1757 – 12. andar), vão receber gratuitamente a segunda edição do Dicionário de Mensuração e Pesquisa em Relações Públicas e Comunicação Organizacional, de Don W.Stacks. Detalhes do conteúdo programático podem ser conferidos no http://www.aberje.com.br/, onde também constam ações marcadas até junho de 2009, e mais dados podem ser obtidos através do e-mail cursos@aberje.com.br ou ainda no telefone 11-3662-3990, com Carolina Soares ou Fernanda Peduto.



RP Rodrigo Cogo – Conrerp SP/PR 3674
Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas (http://www.mundorp.com.br/)